Manekineko, problemas no começo e o trabalho de uma boa gerente…

dezembro 28, 2013 Deixe um comentário

Hoje, saí para jantar com minha irmã e minha mãe e decidimos ir no Manekineko do Casa Shopping, pois curtimos muito a comida feita por eles lá e o ambiente costuma ser razoavelmente calmo. Então, lá fomos nós para nossa gordice de sábado…

Chegando lá, o restaurante estava “cheio” mas era possível conseguir uma mesa para 3 na parte de fora, que foi o que fizemos apesar do clima de montanha que está fazendo hoje no Rio. Ao sentarmos, percebemos que a mesa estava bem… err… inclinada. De fato, o problema não era da mesa, mas sim do piso onde estávamos – que foi onde o garçom encontrou espaço para juntar 2 mesas – que era torto, o que não ajudava muito as coisas. Se o número de cagadas por ml de shoyo já é alta num plano reto, tentando comer  num plano inclinado seria maior ainda e então pedimos ao garçom se seria possível que trocássemos de mesa (tínhamos acabado de sentar). Por acaso a mesa ao lado tinha acabado de vagar e após perguntar/pedir autorização para alguém o garçom autorizou que trocássemos de mesa.

Sentamos em nossa nova mesa e estávamos nos preparando para marcar a comanda do rodízio (que como meu irmão bem diz, não é muito bem um rodízio por ter comanda de pedido) quando a “recepcionista” nos informa que essa mesa na verdade já estava alocada para outra pessoa que tinha chegado (depois da gente, mas já tinha chegado). Veja bem, ela não disse “Oi gente, a gente cometeu uma confusão e essa mesa na verdade já está com aquele grupo alí. Será que vocês poderiam ajudar a gente e vamos sentar vocês rapidamente em seguida?”, ela disse um “Essa mesa não é de vocês, saiam.”. Na moral, eu dificilmente fico puto com algum serviço… mas dessa vez eu fiquei. Prontamente nos levantamos e fomos em direção a saída do restaurante. Na porta uma moça, ao ver que estávamos indo embora, ainda perguntou se a gente não queria esperar e explicamos que estávamos lá a 10 minutos e já tínhamos nos aborrecidos e iríamos comer em outro lugar.

Chegando no estacionamento, paramos no carro pra decidir para onde iríamos (estávamos realmente com fome aquela hora :P). Então que surge a mesma moça, se apresentando como gerente (ou assistente de gerente, whatever), pedindo desculpas pelo erro da recepcionista, explicando que aquele não era o procedimento deles, etc. Então ela pediu que a gente fosse lá novamente, que ela mesmo iria cuidar de providenciar a nossa mesa ou então que a gente pelo menos pegasse um cartão do SAC do Manekineko (ou algo parecido). Como não tínhamos decidido onde comer e por ficarmos impressionados com a atitude dela (de ir até o estacionamento procurar a gente), resolvemos voltar.

Ela nos alocou numa mesa (bypassando a pessoa confusa da recepção) e daí pra frente o atendimento foi no – ótimo –  padrão que conhecemos do Manekineko.

Como eu tinha decidido que iria escrever sobre o que aconteceu hoje após sairmos chateados na 1a vez, resolvi manter essa decisão e aproveitar para mencionar o que considero que foi um bom trabalho da gerente :-)

Categorias:Outros Tags:,

Diablo3, level 60, Inferno…

Finalmente, finalmente! Depois de mais de um ano tendo o jogo (!= jogando todo dia), cheguei com um personagem no level 60! /o/ Foram um total de umas 65 horas jogadas com esse char… o que leva a crer que eu não tenho futuro como chines farmeador de level =P

Continuando, não lembro ao certo o porque mas a umas duas semanas eu me empolguei e voltei a jogar com o meu bárbaro, Bussarian. Comecei terminando a dificuldade Pesadelo com ele – estava no meio do 3o ato – e depois já que estava empolgado, resolvi trucidar meus inimigos através da Tormento.

Devo dizer que no meio do 2o ato (acho que é o ato que menos gosto… não sei dizer exatamente o motivo) rolou *aquele* desânimo depois de morrer 2 ou 3 vezes para packs elite… e apesar da minha vida estar razoável o DPS do meu bárbaro estava muito baixo ( ~2K DPS puro, sem buffs/skills ), a ponto de eu demorar tanto pra matar os mobs que não tinha vida que aguentasse. Então me ocorreu uma ideia e decidi visitar a Action House de novo.

Let's go shopping.

 

E que diferença fez. Dei um belo upgrade nos meus itens, principalmente armas e meu dano base passou para 8+K DPS… agora sim estava bem mais fácil jogar, foi inclusive bem legal sair trucidando tudo até o final do ato 4 de novo. :D

Uma coisa que eu achei curiosa é que eu sou o tipo de jogador que gosta de explorar 100% os mapas e de fato limpar tudo (tanto que nunca conseguirei os achievements de speed run eu acho =P) e mesmo fazendo isso só fui ganhar o level 60 logo antes de enfrentar o Diablo no meio do ato 4, o que me leva a crer que o pessoal da Blizzard mandou bem na curva de xp necessária para passar de nível (já que o ato 4 é curtinho mesmo).

Joguei um pouco do ato 1 na dificuldade Inferno… mas acho que voltei a “saturar” de novo do jogo, o que é um dos maiores problemas meus com Diablo. Eu normalmente já saturo dos jogos normalmente… geralmente eu jogo em “burst mode” (tipo quando zerei o Remember Me em 1 dia =P) e jogar pela 3a vez seguida a mesma história, com as mesmas fases e com os mesmos mobs já está parecendo algo massante de novo. Mesmo eu achando bem legal catar drops raros e ficar torcendo na hora de identificar, acho que irei parar com Diablo3 (de novo) por um tempinho… mas foi de fato muito bom conseguir chegar com um personagem no level 60 e na última dificuldade do jogo ^^

PS: Tenho usado o beta do “Battle.net desktop app” e tenho gostado bastante dessa joça… ele já da launch no jogo logado. É clicar e já estar direto dando porrada nos mobs.

Anima Mundi 2013

Fazia realmente muito tempo que eu não ia no Anima Mundi… tanto que eu nem lembro o último ano que fui =P

Mas esse ano, combinei com a minha namorada, alguns amigos da UFRJ e irmãos que vem de brinde e fomos no sábado (10/08) assistir algumas sessões.

Assistimos duas sessões de curtas e duas de longas e posso dizer que no geral a experiência foi bem positiva. Isso aqui é mais só o que eu achei das sessões que vi do que realmente um “review” (deixo isso pro pessoal mais entendido do assunto, eu só queria me divertir um pouco :). Provavelmente não será tão útil pois hoje (11/08, enquanto escrevo esse post) é o ultimo dia aqui no Rio… mas e daí né?

Às obras que assisti:

  • Zambezia (Fundição Progresso – Sala 1): O filme *de fato* é recomendado para menores de 8 anos =P Isso não torna o filme ruim… pra falar a verdade é o tipo de filme padrão com animais em sociedade que saí todo ano por ai no cinema. A animação era ok, as crianças devem gostar e só não tem nada de super especial/marcante. A única crítica, que não sei se era do filme ou do lugar, é que o som estava um pouco zoado =/
  • CURTAS 13 (Fundição Progresso – Sala 1):
    • El Ruido del Mundo: Esse eu achei ok, apesar de não ter entendido quase nada (detalhe que não li as “sinopses” dos filmes antes de assisti-los) . O estilo da arte visual não é o que eu mais gosto, mas também não odeio.
    • The Deadliest Game: Esse é curtinho e no começo parecia que seria trash, mas no final eu acabei gostando dele. Bônus points pros criadores por colocar nos créditos imagens de como as coisas foram feitas.
    • A Última Reunião Dançante: Gostei muito desse, e ainda era brasileiro! :D
    • Im Rahmen: Não gostei nada desse… não curto o estilo visuial e não entendi quase nada, além de mãos, pés e peitos. =|
    • Azul: Apesar de não ter entendido o final, curti bastante esse.
    • Bydlo: Esse é estranho, pois não acho que gostei/adorei dele.., mas também não achei chato nem nada. Novamente fiquei perdido no início até entender alguma coisa, coisa que uma lida da sinopse antes da sessão resolveria.
    • La Goutte de Miel: Gostei muito desse, de tudo… da historinha/mensagem contada, pro estilo de desenho, etc :D
  • CURTAS 11 (Cinema Odeon BR):
    • Contre Temps: Adorei esse! A arte visual me lembrava um adventure point-and-click de certa forma e a historia foi bem legal também :D
    • Chemin Faisant: Chato =|
    • Cizinec: Muito bom esse, várias rizadas do pessoal no cinema! :D
    • Ex Machina: Até acho que a ideia era boa… mas não gostei muito não =/
    • 850 Meters: Genial esse! Ri muito e curti ele todo! :D
    • Solipsist: Não gostei desse também não, achei chato. E além disso, se alguém tinha epilepsia no cinema com certeza morreu durante esse filme.
    • Oh Sheep!: Genial esse![2] Outro curta que foi realmente ótimo!
  • Fuse, Memória De Uma Caçadora – Teppo Musume no Torimonocho (Cinema Odeon BR): Curti, estilo animação japonesa como eu esperava, história tem algumas coisas malucas mas que são legais, personagens maneiros e alguns bem engraçados, etc. Recomendo assistir :-)

No geral, tudo super positivo. Eu estava “preocupado” com as sessões de curtas, porque o pessoal normalmente diz que só uma ou duas são legais e o resto da sessão é bem chato… bem, não foi o caso, pois em cada uma dessas eu realmente gostei de pelo menos 4 (> 50%).

Única crítica fica ao Odeon que no final do Fuse (umas 21:40), na saída do lugar, só tinha meia porta aberta para todos saírem do cinema… realmente não entendi pra que isso e acho que foi falha do pessoal do Odeon. Mas só teve isso de ruim e o sábado foi mega sensacional :D

PS: Agradecimentos especiais aos meus dois amigos viciados em Anima Mundi: à Paloma por ter montado a lista do que assistimos no sábado (ela super acertou :D) e ao Roberto por nos ajudar na logística da correria entre comprar ingressos e ir pra fila da sessão =P

Empolgado com os spoilers de Dragon’s Maze…

… desanimado com o estado do novo client do Magic Online. Vamos por partes…

Recentemente tivemos a divulgação completa das novas cartas de Dragon’s Maze, coleção nova que será lançada semana que vem (o pre-release foi essa semana) e fecha o bloco de Return To Ravnica. Como sempre (pelo menos pra mim), sempre volta aquela empolgação de jogar shitloads of Magic com cartas novas, que geralmente dura até eu perceber o quanto que eu gasto com isso =P

Além do spoiler da Wizard, eu curto muito assistir as análises dos novos sets feitas pelo Evan Erwin e Brad Nelson (acho o Erwin mais legal, just saying =p) pois alem de analisar as cartas, se serão jogáveis ou não, os vídeos tem uma penca de curiosidade sobre as cartas ou assuntos relacionados as cartas… de qualquer forma,  eles começaram a postar no yt a análise de Dragon’s Maze: aqui, aqui e aqui.

Em parte por isso e pelo fato de eu lembrar que tinha alguns boosters de Gatecrash ainda para serem draftados na minha account resolvi jogar esse final de semana… apesar de só ter de fato sentado e aberto o client hoje, domingo lol.

Resolvi utilizar o novo client (que está em estado “wide beta” como eles estão chamando), que em alguns meses irá substituir completamente o client atual e na 5a feira de lançamento de Dragon’s Maze no Magic Online só será possível logar no MOL utilizando o novo client… por isso pensei que ele estava em um estado melhor do que quando experimentei ele no início desse ano, final do ano passado. Me enganei profundamente…

Entrei num Swiss Draft de GTC. O draft em si foi super tranquilo e eu inclusive prefiro a interface do novo client, infelizmente após a fase de draft tudo foi por água abaixo…

Após o draft, vem a fase de deck building… comecei a construir meu deck (um Orzhov bem meia boca, isso que dá ficar muito tempo sem draftar) e então após adicionar lands básicos pra ver como ficaria o deck, a janela de deckbuilding crashou. Agora o client novo opera de uma forma parecida com o Chrome, onde ao crashar uma das janelas ele não crasha o client todo, enfim… ao tentar voltar para a tela de deckbuilding, não conseguia. Ao clicar no meu “evento”, ele me abria a tela de drafting (que já tinha terminad) e não tinha como eu editar meu deck ou qualquer coisa do tipo. “Felizmente” ele ainda utilizou a ultima versão editada do meu deck e não uma pilha de cartas aleatórias (que é o que acontece quando você não submete um deck propriamente na tela de deck building, algo que eles tentaram melhorar nesse novo client devido a crashes, disconnects, etc.).

Dado meu deck semi-terminado, comecei o primeiro game do primeiro match. Meu opp era muito gente fina e após um game longo, eu – antes de conceder – conversei até sobre umas estratégias/táticas com ele. Após conceder, eu deveria ser enviado para a tela de sideboarding (para poder finalmente arrumar/finalizar meu deck), resultado: outro crash. Novamente o client não me deixava retornar para a tela de sideboarding após o crash e assim fiquei esperando o tempo terminar e a partida começar automaticamente…

Match 1, Game 2 começou e logo após baixar um terreno e uma criatura, minha tela de jogo crashou… e o client aproveitou e crashou todo de uma vez também. Consegui voltar depois e ganhei o game. Ao ir pra tela de sideboarding, nenhuma novidade… crash de novo. Mas dessa vez, eu não consegui nem entrar no game 3… e perdi por tempo ou algo do tipo. Chato, não?

Quando começou o match 2, no meu quarto turno após comprar uma carta na minha fase de compra… client crashou todo de novo. Dessa vez ele até apresentou uma checkbox falando que o crash não era recuperável e se eu gostaria de conceder após enviar o report automático de crash. Marquei a checkbox e declarei como #gg minha tentativa de jogar Magic por hoje…

(No total, devo ter enviado entre 7 e 10 reports automáticos de bug para a Wizards…)

O que me chateia é que o Magic Online é a minha forma preferida de jogar Magic hoje. Prefiro jogar os eventos grandes lá do que ficar 7+ horas numa loja… acho mais confortável, prático, flexível e tudo mais. E justamente por isso, esse bando de crashes no client que se tornará obrigatório em breve me deixou tão desempolgado em jogar Magic =/

Mesmo tendo preenchido o formulário de reembolso, essa situação é essencialmente chata… Ainda assim, tentarei usar de novo esse client mas só após quarta, dia que eles liberam patches e correções.

PS: Ainda sobre lançamentos de novas coleções de Magic, os próximos meses serão “tensos”. Agora em Maio teremos o Dragon’s Maze, em Junho teremos o Modern Masters (que parece que terá um monte de cartas awesome) e em Julho  teremos o Magic 2014 comemorando incríveis 20 anos do Magic! :-o

Somado a isso, o lançamento de alguns jogos de PS3 que até agora parecem que serão super maneiros também, como por exemplo Remember Me e Last of Us, serão meses onde com certeza me faltará tempo =P

Como estou tentando usar os sites de notícias para ser mais produtivo…

Primeiro eu gostaria de deixar claro que não faço ideia de quando comecei com essa mania/hábito de ler sites de notícias como o G1/OGlobo, mas foi algo durante a faculdade… talvez durante uma das aulas chatas nos labs, quem sabe =P

E apesar de 99.99999% das notícias serem triviais/fúteis ou apenas desgraças… eu continuava com este meu hábito. É ainda mais triste quando você percebe que quando abre um desses sites de notícias, você  aprende coisas ultra relevantes para sua vida como, por exemplo, saber se o Chico Buarque comprou baguetes (ótimo exemplo recentemente encontrado pelo colega Leo Balter :).

Então, sabemos que isso é a boa e velha procrastinação… mas por algum motivo parece mais legítimo/natural você dar um “break” no que você está fazendo para ler notícias que nada irão mudar na sua vida (mas que como um bom e dedicado cidadão informado você deve fazer), do que por exemplo parar para pensar em algum (outro) projeto particular – ou mesmo toy-project – seu ou então parar para ler/estudar sobre alguma outra coisa técnica (afinal, se você está com cabeça para pensar nisso, porque não tenta se focar na sua tarefa original? Spoiler: porque as vezes simplesmente não dá.)

Minha mais recente epifania sobre esse assunto foi que: não importa se você está lendo porcarias notícias no G1 ou lendo como funciona um engine de banco de dados diferente, a sua tarefa original continua parada lá mas a diferença é o quanto isso irá acrescentar na sua vida.  Pois bem, resolvi usar esses sites de notícias como um gatilho para chamar a minha própria atenção. Agora, assim que eu entro em um site G1-like, penso logo em seguida se quero/posso (não necessariamente nessa ordem):

  • Pensar/trabalhar em outra tarefa, nem que seja por um período fixo de tempo (30 minutos ~ 1 hora).
  • Abrir o meu Google Reader Newsblur e ver meus feeds de artigos técnicos e escolher 1 ou 2 para ler.
  • Discutir com algum colega alguma ideia que tive (para essa tarefa ou outra).
  • Tentar fechar os olhos e não pensar em nada por 15 minutos (por algum motivo, isso é **muito** difícil para mim).

Se nada disso de cima der certo ou puder ser feito no momento, a opção de me levantar e ir com calma na cozinha pegar um copo de água (mesmo tendo minha garrafa ou caneca ao meu lado, não vazias) ajuda. O importante – para mim – é não ficar preso no loop infinito de notícias inúteis desses sites.

É claro que ainda falho e as vezes acaba dando brecha para ler algumas notícias, mas estou tentando realmente deixar isso restrito a alguns minutos em algum período específico do dia, tipo de noite quando dou uma olhada rápida nas notícias do dia para ver se algo tem algo de realmente relevante/interessante. (Spoiler: 99.9999% das vezes, não.)

PS: Por coincidência vi hoje um artigo ( artigo != notícia ;) do The Guardian, News is bad for you, e posso dizer que concordo bastante com ele. Recomendo a leitura.

PPS: Primeiro post escrito a partir do novo Macbook :D

Scrum, NoSQL e um pouco de TDD…

Um pequeno update sobre o que andei lendo ultimamente…

Essential Scrum: A Practical Guide to the Most Popular Agile Process

Nesse final de semana (finalmente?) terminei de ler o Essential Scrum: A Practical Guide to the Most Popular Agile Process. Comecei a ler esse livro (bem aos poucos), logo depois de começarmos a – tentar – implantar o scrum como metodologia ágil na Estante Virtual. Como ninguém da equipe de T.I. tinha profundos conhecimentos sobre scrum/agile, resolvi que “estudar” um pouco por conta própria seria bem útil… e até agora tenho curtido bastante trabalhar dessa forma. Apesar de já termos “errado” bastante, é bem legal ver como estamos aparando as aresta e a cada sprint vamos acertando o processo pra nossa equipe. Voltando sobre o livro: foi o primeiro livro (e/ou material razoavelmente longo) que li sobre o assunto então acho que não posso fazer uma análise comparativa com outros, mas posso dizer que gostei bastante do conteúdo.

O livro é razoavelmente grande, com ~500 páginas contém muito mais do que é necessário para uma tentativa inicial de implantação do Scrum, por isso acho que alguns dos tópicos abordados não serão tão relevantes para quem está começando, mas com certeza deve ser útil para quem já está usando o processo a mais tempo e está em um nível de refinamento/adoção maior que a gente. O material é muito bem escrito e o conteúdo bem claro, as ilustrações também ajudam bastante e são muito boas. Acredito que devo voltar para ele em alguns meses, após nosso processo interno ter amadurecido mais um pouco e reler algumas partes. No mais, só posso fazer recomendações positivas a esse livro, seja para alguém que queira um bom/sólido material inicial para aprender sobre o Scrum ou para quem já tem alguma experiência e talvez encontre algumas dicas/sugestões de como abordar problemas que sua equipe está tendo no processo.

Test Driven Development: By Example

No meio do Essential Scrum, comecei a ler também o Test Driven Development: By Example, principalmente por entender/acreditar que: (a) testes são bons, (b) preciso melhorar *minha* cultura de testes. Sobre o livro, estou agora no capítulo 26, mas não se engane em achar que isso significa que já me tornei o mestre jedi dos testes. Até o capítulo 24, o livro é basicamente 2 exemplos grandes de como realizar TDD e apesar desses exemplos serem interessantes, acho que acaba ficando meio chato/repetitivo/entediante algumas horas e devo confessar que algumas horas rolou uma leitura diagonal (apenas dando uma maior atenção no final dos capítulo onde rola um “key points” e verificando se eu entendo ou acho que entendo o que está sendo resumido ali). A partir do cap. 25 começa o que eu acho que deve ser a parte mais interessante do livro Patterns for Test-Driven Development, pois acho que é justamento o que sinto mais falta que é ter uma ideia melhor de como proceder em alguns casos.

NoSQL Distilled: A Brief Guide to the Emerging World of Polyglot Persistence

Por fim, comecei hoje a ler o NoSQL Distilled, que parece ser de fato um “brief guide” e uma boa introdução/visão geral do assunto. Estou ainda no capítulo 6, mas estou gostando do conteúdo abordado e  da forma que a bordagem é feita, principalmente por não querer sair chutando tudo que existe de bancos relacionais hoje e substituir tudo por “NoSQL’s”, mas sim apresentar como um é uma alternativa pro outro e em quais casos você pode extrair maior vantagem deles. Para ser sincero, é por enquanto um livro que me chama a atenção em todos os capítulos que ainda não li, o que me leva a crer que ele será terminado antes do TDD: By Example ;)

PS: Para quem não sabe, eu utilizo o serviço do Safari Books Online (link não patrocinado, pode clicar sem medo ;) para minhas “leituras técnicas” e é um serviço que eu não tenho como não recomendar. O acervo é uber-gigante, tanto que minhas “listas de leitura” dentro dele são gigantes, mesmo separadas por assuntos. Tem app pra iOS e pra Android também, eu uso o do iOS e gosto bastante. Para quem não quiser pegar de cara o plano ilimitado, sugiro experimentar com o 5-slot bookshelf… apesar de achar difícil conseguir se manter em só 5 livros depois de um tempinho usando =P

Eu tentei, eu juro…

Tentei apoiar dizendo que mesmo com o DRM always-on o SimCity novo seria épicamente legal.

Tentei jogar no lançamento e não consegui nem baixar o jogo.

Tentei jogar no dia seguinte mas os servidores estavam lotados ou fora do ar.

Tentei jogar depois mas o jogo apagou a minha cidade assim que eu saí.

Esperei uma semana, deixei lançarem patches, vários deles: 1.1, 1.2, 1.3, 1.4, 1.5, 1.6.1

Tentei jogar hoje de novo em um servidor novo (South America), começando uma cidade nova do 0, e depois de 2 horas de jogo me veio uma mensagem que minha cidade “não estava sendo processada corretamente” e que seria feito um rollback. … E de fato ele foi feito, para o estado da minha cidade com 30 minutos de jogo.

Sério, eu tentei… mas não consigo jogar =/

Para todos que não rasgaram dinheiro ainda comprando o SC novo na Origin, joguem a versão web que praticamente implementa 95% das funcionalidades do jogo como ele está hoje: http://tholman.com/playable-simcity-2013/

Até algum outro dia SimCity.

Categorias:Games Tags:, , ,

Daily MTG… um monte de Daily MTG.

fevereiro 24, 2013 Deixe um comentário

Esse final de semana eu coloquei em dia minha leitura do Daily MTG (ou Mothership como alguns gostam de chamar). Digamos que eu estava bem atrasado… parei de ler os artigos no final do ano passado, o que me deixou com um backlog bem grande para dar uma olhada. Mas fazer o que se eu gosto tanto de alguns deles… então hoje estou com eles “em dia” até 15/02, faltando apenas os da semana passada (que foi a semana Simic).

Enquanto eu lia essa penca de artigos, eu percebi que algumas colunas eu gostava bem mais que outras… e resolvi escrever sobre quais eu, hoje, gosto mais e quais eu gosto menos. Na verdade, a motivação foi principalmente uma: algum dia no futuro eu lembrar desse post e verificar se meus gostos mudaram/evoluíram ;)

Sem mais enrolação, vamos lá (seguindo a ordem de publicação durante a semana):

  • From The Lab (segundas): Eu gosto da temática dessa coluna, que basicamente é sobre inventar/descobrir combos novos com as cartas e montar decks que utilizem isso. O problema pra mim é que as cartas são de edições muito espalhadas (ou seja, dificilmente eu conseguirei montar um dos decks apresentados) além de as vezes os decks serem bem caros. Não é uma coluna que eu faço questão de ler, mas normalmente eu passo rapidamente o olho nos combos apresentados.

 

  • Making Magic (segundas): Eu adoro absurdamente dessa coluna. Ela é escrita pelo Mark Rosewater (MaRo) – Head Designer do Magic – e sempre envolve coisas relacionadas a Game Design… e ele escreve muito bem. É simplesmente incrível ver como o Magic é construído e evoluído. Mesmo para quem não se liga muito em Game Design, é muito legal ler os textos falando sobre como os sets são criados, cartas são boladas, etc. Sério, essa coluna é muito boa.

 

  • ReConstructed (terças): Essa eu não curto muito, mas não é por como ela é feita mas sim (e somente por) o público alvo dela: decks construídos e competitivos (na maioria das vezes). Eu não sou tão chegado em Constructed (Standard, Modern, Legacy) competitivo, simplesmente não é uma modalidade que me agrada muito jogar/pensar sobre. Talvez seja trauma de sempre levar sarrafos em torneios (simples FMNs) de pessoas com decks ultra mega sinistros e caros (enquanto eu só tentava usar algo estilo From The Lab =P) e pelo fato de não achar tão legal o lance de “ter” que ficar treinando matchups para ser um bom jogador em constructed. Porém, eu gosto da forma como essa coluna é feita… principalmente do “Deck Breakdown”, onde ele passa pelas cartas do deck e analisa as cartas (e quantidade de cada uma), para o quanto elas estão contribuindo pra estratégia geral do deck. Geralmente eu dou uma lida diagonal mega-rápida… mas eventualmente (*bem* eventualmente) eu paro para ler a coluna toda.

 

  • Serious Fun (terças): Essa coluna é voltada pro público casual (as in não, apenas, competitivo). É uma coluna que eu leio as vezes só (apesar de eu ser um jogador muito mais casual do que competitivo), realmente não sei porque… acho que nem sempre os temas abordados me interessam muito. (Ou talvez porque eu não jogue o famoso “magic de cozinha”… quem sabe se eu convencer minha namorada a jogar Magic isso mude =P)

 

  • Limited Informations (quartas): Outra coluna que eu adoro… simplesmente pelo fato de adorar os formatos “limitados” do Magic. Antes eu achava que gostava mais do selado, mas hoje eu não consigo negar que eu adoro draftar. Essa porcaria é muito viciante… abrir os pacotinhos (mesmo que online no MOL =P), decidir qual carta pegar, o que passar, etc… é muito bom.

 

  • Uncharted Realms (quartas): Essa coluna aborda o “lore”, a história, dos planos onde Magic se passa. E com um time criativo como o da WotC, isso não se esgota tão rápido. Eu realmente gosto de ler as histórias dessa coluna, ainda mais quando elas são ilustradas com artes presentes nas cartas… da um toque muito legal na história, além de tornar ainda mais legal jogar com aquela carta.

 

  • Perilous Research (quintas): O legal dessa coluna é que ela é dedicada exclusivamente ao Magic Online. A parte ruim é que ela grande parte das vezes é voltada para Constructed… e como já disse acima, não é muito a minha área. Então, quando tem alguma coisa de MOL que não é somente Constructed eu acabo lendo, caso contrário não.

 

  • Top Decks (quintas): (Constructed + Competitivo) * sempre = bleh.

 

  • Latest Developments (sextas): Essa coluna é tipo uma extensão do Making Magic, como o nome diz, levando em consideração a parte de develop de um set, que são os ajustes finos, ver se não tem nenhuma carta ou estratégia que seja absurdamente forte demais, etc. Por envolver basicamente a construção do Magic como um jogo, eu gosto dela também.

 

  • The Week That Was (sextas): Voltada mais para notícias relacionadas com os eventos (GP, PT) do Magic. Apesar de achar os eventos de certa forma interessantes, não acompanho eles… então acabo quase nunca lendo essa.

 

  • Magic Arcana (todos os dias): Os artigos dessa coluna não tem uma temática bem definida e geralmente contem coisas menores… tipo anúncios de produtos/expansões futuras, listagem dos Intro Packs e Event Decks, curiosidades sobre algumas artes do jogo, etc. Eu gosto dessa coluna e é a única que leio quase todo dia (mesmo quando parei de acompanhar as outras, como eu disse la em cima), principalmente por ser bem breve (e as vezes bem visual), quase não se gasta muito tempo lendo. É claro que pela não “temática” da coluna, ela varia bastante entre coisas bem legais e quais bem meh (mas isso também vai variar de pessoa para pessoa =P).

 

  • Feature Article (alguns dias): Esse parece ser o irmão grande, não regular, do Magic Arcana. Os assuntos são bem variados e – igual a Magic Arcana – as vezes são interessantes e as vezes não muito. Eu geralmente começo a ler para ver se o assunto me interessa… caso sim, eu continuo, caso contrário pulo pra próxima.

TL;DR: Minhas colunas preferidas são: Making Magic, Limited Informations, Uncharted Realms, Latest Developments e Magic Arcana. As vezes gosto de ler também: From The Lab e Perilous Research.

Fim da temporada de selados do [pre]release de Gatecrash pra mim.

fevereiro 16, 2013 Deixe um comentário

Semana passada entrou no Magic Online a nova coleção Gatecrash. Com isso tivemos os eventos de pre-release, rolando de 6a até 2a, e estamos tendo os de release que começaram na 2a e vão até o próximo dia 27.

Como eu gosto de fazer com uma coleção nova (e agora que voltei a jogar Magic, de novo =P), resolvi separar umas dilmas pra jogar alguns selados, para ganhar alguma experiência com as cartas novas e começar uma coleção.

Nesses últimos 7 dias (carnaval \o/) foram 5 selados, 2 de pre-release e 3 de release. Fui (literalmente) mediano neles… não conseguindo cravar (4-0) nenhum, mas conseguindo ao menos um 3-1. Os outros 4 ficaram distribuídos em três 2-2 e um 1-3. Foram 47 partidas (23-24) distribuídas em 20 matches (10-10). Somando a premiação total, foram 15 boosters de GTC. Pessoalmente eu fiquei bem feliz de ter conseguido fazer pelo menos um 3-1.

Um detalhe importante que acho que vale a pena mencionar: A distribuição de premiação dos selados de release é *muito* mais generosa do que dos selados de pre-release, além do pre-release ser 1 dólar mais caro para participar. Se eu tivesse me atentado a isso, talvez tivesse trocado os dois de pre-release por dois de release… É claro, nos de pre-release você ganha a promo da guilda escolhida o que é legal e tals, mas ainda tenho minhas dúvidas se vale.

Enfim, como eu disse, para mim a temporada de selados do GTC terminou… e vamos começar a de Drafts, tenho quase uma booster box inteira para draftar no MOL! :D

gtc_boosters

 

Supondo que eu consigo ir melhor do que somente fazer 0-3 ou 1-2, esses boosters devem render um pouco mais que 12 drafts. De fato, 20 seria um mínimo que eu gostaria de atingir.

 

Dia 26/11/2012, o dia da passeata dos royalties.

novembro 27, 2012 1 comentário

Mais uma ocasião onde o Governador do Estado do Rio de Janeiro, resolveu usar recursos públicos [1] para organizar um “protesto”. Sim, um “protesto” porque a maioria da massa que estava lá “protestando” não sabia pelo o que “protestava” [2]… mas bem, tinham recebido transporte, alimentação e iriam assistir a uns shows…

Acho que o Cabral ficou com inveja do que o Freixo conseguiu nas eleições, onde mobilizou uma penca de gente – embaixo de chuva – para os arcos da Lapa… que foram por vontade própria, sem receber nenhum tipo de benefício, bem pelo menos monetários pois o que se apoiaria ali era o futuro do Estado, de uma nova forma de se conduzir as coisas, o que para muitos é um benefício muito melhor do que o Cabral e turma dos Guardanapos pode oferecer.

Para melhorar, Cabral anunciou que “não pode divulgar” o quanto foi gasto total com o evento [3]. Não pode? Errado Cabral, você não só pode como DEVE. O dinheiro é do Estado, das pessoas que vivem aqui, você DEVE prestar conta de tudo que faz como Governador do Estado.

Se o nosso gestor público não gastasse dinheiro com esse tipo de coisa (show para movimentar massa), não fizesse obras superfaturadas, festinhas em Paris e negociações espúrias e etc, muito provavelmente a falta do dinheiro dos royalties não representaria risco do Estado quebrar. (Não vou nem entrar no mérito do fato do Governo adorar gastar dinheiro que nem sabe se um dia vai ter mesmo…)

Então fica aqui meu pedido: Dilma, por favor NÃO VETA. Um dia, quando o povo do Estado do Rio de Janeiro for de fato as ruas para lutar por isso, para defender um interesse de fato público por vontade própria então Dilma, aí você poderá pensar em vetar isso ou não. E que de preferência neste dia, o povo decida por dar fim ao mandato deste Governador que não pode divulgar os gastos que faz com recurso público.

[1] http://economia.estadao.com.br/noticias/economia%20geral,rio-gasta-mais-de-r-780-mil-mas-nao-lota-manifestacao-que-pede-veta-dilma,135887,0.htm

[2] http://www.jb.com.br/rio/noticias/2012/11/26/royalties-manifestantes-desconhecem-objetivo-de-passeata/

[3] http://paneladepressao.org.br/campaigns/173

PS: E aparentemente quem estava protestando contra o “protesto” e o Cabral foi recebido a base do cacete pela nossa Polícia Militar.

%d blogueiros gostam disto: